Home

Quando alguém próximo na nossa família morre,

por lei temos direito a três dias de luto. Se não for família direta, o que somente inclui pai, mãe, irmão, irmã, filho ou filha, temos direito a um. Mas como quantificar o sofrimento? Como se calcula o luto?

E pergunto ainda, e a morte dum amor?

É esperado de nós continuar a lidar com a vida mundana, como se nada fosse? Porque será que nos consentem tolerância de pranto numa situação e noutra não?

A morte dum amor é visto como algo que deveremos saber digerir no meio do resto e de preferência sem chorar, muito menos em público. Porquê? Se, ironicamente, o que mais precisamos de fazer é vazar todas as lágrimas de dentro de nós, todo esse sal acumulado que nos corrói?

É certo que a velha história de ter a mente ocupada, ajuda no processo de ultrapassar a dor. Mas só ajuda a aliviá-la momentaneamente, a esquecê-la por um intervalo. Não ajuda a curá-la. O que se resiste, persiste.

Mal temos uma frecha no nosso pensamento, lá está ela, essa emoção dolorosa, que é a própria Dor, olhando-nos, ainda com mais força do que no último sobressalto, dizendo, “ainda estou aqui, até que me enfrentes”. E ela vem, como uma onda gigante, uma massa de água que se apodera de nós, que nos trespassa deixando-nos subitamente submersos e sem que nada possamos fazer contra o seu ataque massivo. Nesses momentos, basta tão pouco para desabar, para desatar, para desatarmo-nos, desatar esse nó. Desatar o choro. Desatar o desatino. E não é assim que tem que ser? Só poderemos emergir de novo, se primeiro nos afundarmos completamente, se nos permitirmos bater no fundo.

b15f08374356A morte dum amor é isso mesmo, uma morte. Não vale a pena tentar mascará-la de outra coisa. Algo existia e não existe mais, sentimo-nos impotentes com a perda. Ou porque não nos amam mais, ou porque nós não conseguimos amar mais, ou amar sequer.

Amar e não ser amado, dói. Porque não sabemos o que fazer com aquele sentimento, que não nos pertence. Temos de oferecê-lo a alguém e esse alguém não está mais lá. Sermos amados e não amarmos de volta, dói mais ainda. Além de queremos querer receber o amor da outra pessoa, queremos querer dá-lo. Querer querer alguma coisa, é mais angustiante do que só querê-la.

Martha Medeiros fez referência a algumas passagens numa das suas crónicas, “A separação como um ato de amor”, de um livro da portuguesa Inês Pedrosa, “Nas Tuas Mãos”.

Entre elas, “A separação pode ser o ato de absoluta e radical união, a ligação para a eternidade de dois seres que um dia se amaram demasiado para poderem amar-se de outra maneira, pequena e mansa, quase vegetal.”

Somos educados a pensar nos “para sempres”, e nos “para sempres” como algo continuo, definitivo, quando uma união não existe para sempre simplesmente porque dois corpos co-habitam o mesmo espaço no dia-a-dia. Da mesma forma que um casamento não se assina num papel e com uma caneta. Nada é pois, definitivo, nem as uniões, nem as separações. Nada é irreversível. É liberador? Ou pelo contrário, pesa em nós?

E continua:

“Só nós dois sabemos que não se trata de sucesso ou fracasso. (…) Para lá da dilaceração dos dias, dos livros, discos e filmes que nos coloriram a vida, encontramo-nos agora juntos na violência do sofrimento, na ausência um do outro como já não nos lembrávamos de ter estado em presença. É uma forma de amor inviável, que, por isso mesmo, não tem fim.”

Como dizia o mestre Vinicius de Moraes, no Soneto da Fidelidade, “Que não seja imortal, posto que é chama. Mas que seja infinito enquanto dure.”

Rio de Janeiro, 7 de Maio de 2015

Soneto de Fidelidade

Vinicius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s